Meu Psicólogo De Quatro Patas 2

Meu Psicólogo De Quatro Patas

Já se conhece que as garotas costumam requisitar a seus pais que lhes comprem um cão, e que nem ao menos todos têm a sorte de o conquistar. Há algumas moças, contudo, que não podem pedir nem sequer cão nem sequer nada aos seus pais pelo motivo de eles vivem em centros tutelados pela administração. Mas, a partir de agora, poderão constatar que significa ter um conhecido de 4 patas. É mais, este colega poderá ser fundamental na sua melhoria vital; podes ser seu psicólogo.

O Mundo passou uma tarde no ambiente de termos um par de semanas atrás, na noite em que os cães terapeutas tinham a sua visita semanal. Bau, Volka, Pipa, Jaro, Darwen, Neula Lã e chegam até o local, acompanhados de 2 terapeutas e uma veterinária. Posam pro fotógrafo, como se o tivessem feito durante toda a tua vida.

Jaro ainda está em criação, pois tem 7 meses, ele ainda é filhote e está aprendendo o serviço. O resto, são experientes terapeutas de 4 patas, parecem conscientes de estar realizando uma sério função. Nada mais entrar, M., um dos caras que vivem no centro de acolhimento, pegue a alça de Neula, um dos cães de pequeno porte do grupo. A próxima hora M. da acontecerá no pátio do centro, “andando”, a partir da elaboração de “circuitos”, jogando. Maribel, que muitos dos jovens que se beneficiam desse programa bem como abraçam, diz que “é primordial ter cães fixos por causa de é deste jeito que se criam os links.”

Outra estrela de 4 patas é Bau, labrador preto, delicada, extenso, bem-humorado. E a dança começa. São os adolescentes, que aprendem a treinar os cães, período de aprendizagem partilhada que recolhe resultados surpreendentes. Paula Calvo, pesquisadora da cátedra Fundação Affinity Animais e Saúde, do departamento de psiquiatria e medicina sensacional da Universidade Autónoma de Barcelona.

Paula é a encarregada de verificar as melhorias dos adolescentes que exercem as terapias assistidas com cães. Agora, essas terapias foram alargadas a seis novos centros residenciais de Catalunha: em Vic, Cerdanyola del Vallés, Sant Cugat del Vallés, São Fost de Campsentelles, Pontinha e Barcelona. O segredo que empregam, é o “reforço positivo”, ou seja, “recompensar as boas ações, em vez de punir as más”. Enquanto uma criancinha educa um animal, um cão, nesse caso, formam-se vínculos entre eles e, também, ambos aumentam o teu bem-estar vital.

Miriam Mascato, responsável por este centro do bairro de Sant Andreu onde este jornal tomou contato com criancinhas, cães e terapeutas. R. você tem dezessete anos e no ano anterior fez divisão de uma experiência piloto. Hoje quer ser cozinheiro e conta tua aventura perruna com audácia. “tudo o que eles dão é prazeroso, eu sempre morei com cães, no futuro, eu amaria de ter um bulldog inglês, que não é uma raça problemática.

me interesso em entender algumas experiências com eles, se esvaziam a cabeça, eu se pudesse repetiria, que, se um cão te faz caso, se volta pra ti, é porque você está transmitindo coisas boas”. Também se concorda com este moço de muita altura e sapatos vermelhos resplandencientes de uma ocasião em que a terapia canina consistiu em aproximar-se, todos juntos, para um centro de acolhimento de cães abandonados.

  • Em testes de imagem se observa modificação estrutural
  • 4 Exemplos de características comuns
  • Alguns ervilhas ou mirtilos congelados
  • Parula pitiayumí, Parula pitiayumi
  • 1 Taxa de câmbio
  • 2 Dicas para a alimentação e defecação de gatos filhotes

Isso precisa impactar aquela visita ao centro de cães abandonados que, na atualidade, uma vez por mês -“por pedido deles”, explica Maria – vai a uma protetora de cães para visitá-los. Maribel sensibiliza os meninos, lhes ensina a treinar os cães, os fundamentos, as palavras, os exercícios, os tempos.

E, se imprescindível, leva pra moradia um dos rapazes o fim-de-semana, se você anda jururu. Também reconhece que não foram fáceis os princípios. O que não diz é que ela já os ganhou a todos, mas salta à visão que é deste modo. Para avaliar os resultados, são feitas medições antes do programa, durante o seu desenvolvimento e até seis meses depois. O que se conhece como “taxa de adesão” completa esta história. Os caras não são obrigados a dirigir-se a esta terapia, uma vez que é voluntária. Realmente, “a diversas atividades não irão”. Mas a terapia canina sim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima