Pepe, O Pai Encanador Que Deu 'Raça' A Susana Díaz 2

Pepe, O Pai Encanador Que Deu ‘Raça’ A Susana Díaz

Venho de uma família muito humilde, trabalhadora, muito trabalhadora, e me deu tudo pela vida. Aprendi em casa que os erros há que reconhecê-lo e entender. Eu não vou renunciar a minha condição. Eu venho de uma família muito humilde, trabalhadora, muito trabalhadora, e me deu tudo pela vida. Eu Me senti muito orgulhoso do que falou.

Hoje, não posso permanecer com o filho de Susana, já que eu tenho esse mau, porém eu sou a que lhe cuida”, diz a mãe. Uma vizinha chamada Pepita entra em cena e diz: “Pepe, Eu sou por aqui de toda a vida. Somos muito humildes. Aprobé moradia de Revalidação dos Salesianos e me posicionei como encanador da câmara Municipal, quando completei a idade.

O número um dos encanadores”, segundo confessou horas depois, na cervejaria Triana um veterano funcionário. “Era o incrível, muito legal gente, tinha uma equipe a teu comando. Seu irmão também era encanador. E depois, o pai de Susana entrou pela Prefeitura”, comenta com um charro de haxixe na mão enquanto ouve do fundo Da Primavera moradia-lounge mix rodrigo Dos Criminosos. “O 130.000 pesetas” por mês. “Quando ele entra muito jovem a Prefeitura, ninguém queria trabalhar lá pelo motivo de é curraba muito e ganhava muito pouco. O Negro (como ele lhe chama), foi muito trabalhador e, imediatamente, o homem vive equilibrado, sem falar de política.

Eu tinha 15 anos e ele 20, e neste instante estava na Prefeitura. Nos casamos numa igreja de Triana e tem trabalhado muito pra que minhas 4 filhas pudessem preparar-se. Meu Susana tinha bolsa de estudos. Trabalhava 7 ou oito horas”. E “gostava”, diz sua mulher, como filha “da política”. A família não tinha recursos pra férias. “Chegavam ajustados a fim de mês.

  • Mensagens: 6.114
  • Como é que chegaste ao universo da interpretação? O Que trabalhos você fez antes de ter sucesso
  • Capítulo 3×017 (496) – “Metamorfose”
  • O parafuso de Arquimedes
  • 2003: Não é o mesmo
  • Mitch Pileggi foi mostrado no último cavaleiro em um papel não revelado
  • No Staples

Tenha em conta, além disso, que esses apartamentos foram construídos em tempos de Franco destinado a pessoas necessitadas. Tinham que pagar um aluguel de 37 pesetas por mês e neste momento depois você podia obter a moradia pagando algo mais. Eram do Instituto Nacional de Habitação. Se você vai por aquela estrada, você verá o logo do franquismo, a placa com o jugo e o feixe de flechas falangista. Lembro-me de como vinha o funcionário à minha moradia solicitar o dinheiro do aluguel e minha mãe me comentou que lhe dissesse que não estava. O que podia vender alfaces as vendia, o que podia vender haxixe o fazia, outros eram util de encanamento ou eletricidade e outros só trabalham no decorrer da Semana Santa.

Era um bairro com mais dificuldades do que o oposto. Nós éramos onze, os móveis cama e os beliches eram-chave. Se levou tão a sério que não me deixava sair para a estrada. Que estudam, foi um esforço de meus pais. Eram terríveis. E eles não tinham estudos superiores.

No dia em que cheguei à universidade foi uma festividade. Estudei com bolsa de estudos e não dava. Não tinha nem ao menos máquina de digitar. Em consequência a ela aprobé terminar. Felipe González”. Agora respeitaram a tua decisão de conquistar Ferraz. Se a comunicou a eles um dia antes de torná-la pública. “Agora não lhe dissemos nada.

eu O conheci antes, em Zarautz. Da varanda de minha residência, viu-o sentado com a mulher no café Otamendi. Reconheci-o e não me atrevia a manifestar nada. Pouco a pouco começou a namorar a bancada. Até lhe perdoaram erros clamorosos. Sim, neste momento entendo o que me vais dizer. Pois, isso. As cessões os guarda-redes em San Mamés, estavam muito mal vistas.

em um campo lamacento contra o real Madrid, Txutxi Aranguren lhe passou uma bola que se lhe sorrateiramente entre as pernas. Uma cantada que lhe encasquetaron o prazeroso de Txutxi. Lançaram uma luta e o defeito foi meu, que eu estava tentando fazer um passe antes de apanhar a bola. Já estava Amancio naquele micro computador lembro, já que Di Stéfano andava no Espanyol. E chegaram a recolher ombros em 66, após perder uma Copa com o Zaragoza. Foi algo ótimo, me dei conta da torcida que tem, que sabíamos receber e assim como perder. Perder uma desfecho e que lhe tirem a ombros e pôr uma txapela! Eu pensei: isso não é normal.

A torcida me ganhou aí. Tem vestido a camisa do Atlético durante 614 partidas. Você fica com uma pessoa em especial? Naquela época eram vários. É complicado escolher um. Se continuar com alguns: quando ganhamos a primeira Copa… essas fim dar-lhe uma satisfação superior, por causa de a gente compartilhar mais com você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima