Primeira Visita À Consulta 2

Primeira Visita À Consulta

Esta semana que passou pela minha ‘consulta’ Belém Acebes, nova diretora de Marketing e Pesquisa da IAB e não perdi a oportunidade de ir um questionário de rotina sobre a saúde do mundo publicitário atual. Dr. Martín : Qual é o futuro da imprensa escrita? Belém Acebes: A imprensa escrita, como o resto de meios tradicionais, está sofrendo uma mudança drástica pela imparável revolução digital. Pra isso, é vital que o jornal impresso tenha também uma versão on-line robusto, onde se forneçam infos de última hora, ou melhor, que ambas devem ser complementadas.

A rapidez que fornece o meio digital não necessita ser uma desculpa pra doar dicas de pior característica, visto que não se trata de ser os primeiros a publicar alguma coisa, no entanto de ser os fantásticos. D. M: E, no caso de a online, o B.: Acho que ainda está em plena melhoria. O mal dessa extenso revolução digital, a intercomunicação e a informação é que não há nenhuma forma de saber o que acontece.

Ademais, o papel do jornalista e do leitor deu um giro de 360º, nesta ocasião os editores desde o minuto um poderá receber a crítica e os comentários de seus leitores. Esta colaboração cria conteúdos muitos mais adaptados à demanda de dicas. Ademais, graças ao grande crescimento dos dispositivos móveis, surge uma conexão 24×7 horas, com um curso de dicas constante. D. M: É primordial a integração das mídias sociais?

Qual é o valor acrescentado? B.: É fundamental. As mídias sociais fornecem um canal bidirecional de intercomunicação e de dica entre o usuário e os meios que até neste momento não existia. Os meios eram geradores de notícias em uma única direção, entretanto neste momento as redes sociais proporcionam aos meios de intercomunicação um automóvel de ouvir de seus próprios usuários, que necessitam desfrutar para otimizar e aperfeiçoar os seus serviços e produtos.

  • [Os livros da minha existência] Plano de social media e community manager, Julián Marquina
  • Abrangem todos os tipos de meios de intercomunicação digital.[10]
  • Escola Normal Intercultural (ENI)
  • Ampla experiência comprovada em cargos de responsabilidade
  • #fun 124,017,892 postagens
  • 3 Os diálogos da missão médica-cicv
  • R. M. Herz (conversa) 15:Vinte e um sete abr 2017 (UTC)
  • Criar conteúdos que são difíceis de ler por ter muito texto

As mídias sociais têm a know-how de ser um amplo orador de que se a tua posição. Os jornalistas sabem quais são as notícias que interessam mais aos seus usuários. Os jornalistas têm que se ajustar aos novos meios. Há muitos líderes de posição, com diversos leitores através das RRSS. D. M: A publicidade em redes sociais é verdadeiramente rentável? B.: Sim, em pouco tempo foram implementados no meio ambiente digital e a esta alteração teve de se ajustar a publicidade. Inicialmente, as RRSS cresceram muito rápido, porém a oferta publicitária não estava adaptada ao ambiente.

Outra das mudanças que beneficiou as RRSS é que nesta ocasião conseguem incluir seu inventário nos AdExchange/DSP, o que permite otimizar melhor as campanhas publicitárias. Tudo isso ajuda a colocar os números a nossa investimento e poder discutir de rentabilidade de publicidade em Redes sociais. D. M: A extensão de web sites, Twitter, etc…. O B. A:Todo o oposto, é um enorme enriquecimento para o jornalismo. O Twitter é uma fonte geradora de muito ruído e de modo imediata. Cada vez são mais os jornalistas que recebem dado muito valiosa em tão alto grau dessa mídia social, como os blogs e fóruns, desde que todo esse conteúdo é fornecido pelos usuários.

O jornalismo está a adaptar-se às numerosas alternativas que oferecem os meios sociais. D. M: Quais são os alvos são os mais procurados nestes momentos? B.: O target comercial, o problema é que cada vez é menos genérico e é cada vez mais difícil atingi-lo na desagregação dos meios de comunicação. D. M: O mundo mobile está experimentando um desenvolvimento explosivo, entretanto o B.: O conceito de lucratividade, é o de recuperar o investimento.

Haverá vezes em que se recupere de forma direta, para campanhas pra resultados, e outras de maneira indireta, fortalecendo o branding. Neste sentido, não podemos medir, do mesmo jeito, a eficiência de apps que busquem rentabilidade através de resultados diretos, com as apps de branding de marcas, porque os objetivos são diferentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima