Uma Escola De São Paulo Torna-Se O Primeiro Centro Público Em Implantar Os Uniformes 2

Uma Escola De São Paulo Torna-Se O Primeiro Centro Público Em Implantar Os Uniformes

A instituição de ensino pública Màrius Torres, no bairro de Algodres, em l’Hospitalet de Llobregat, está de estreia: edifício novo, novo projeto educativo e de outras regras a respeito da maneira de vestir-se. A equipe de gestão e as famílias concordaram em que todos os alunos de P5 à sexta primária levem uniforme a partir do ano que vem, tornando-se o primeiro centro público de Catalunya, que introduziu tal proporção. No átrio da instituição, um grupo de pais aguardava na manhã de ontem para recolher as notas de seus filhos. Enquanto isso, alguns passaram na mesa que o ampa havia instalado para pagar a roupa que irão conduzir as moças a começar por setembro.

Um balcão expõe os modelos: saia cruzada de quadros pra elas e calça cinza tipo caubói pra eles; um pólo branco e verde jersey. No total, equipar um aluno sai por sessenta euros. A ideia de anexar uniformes escolares saiu do diretor do centro, João Leão, uma estratégia que se enquadra em um plano mais grande pra dar “uma reviravolta total da imagem e a localização da universidade”, explica.

Depois de dar muitas voltas, a administração propôs a iniciativa ao ampa, passou um questionário pras famílias e mais de 90% se descreveu a favor. A partir daí, escolheram modelos. O uniforme está membro pela Catalunha pra a faculdade concertada e privada, e, essencialmente, religiosa. A faculdade pública, o deixou com a chegada da democracia e alguns setores consideram-no um símbolo retrógrado e elitista, que nega a individualidade, a ferramenta mais fácil para ocultar as diferenças sociais.

Leão, no entanto, existe um chamado para “deixar pra trás os preconceitos”. Na sua posição, o uniforme adquire um motivo novo dentro da data atual. Por que anexam esta quantidade? “Para dignificar a faculdade”, responde Leão convencido. Anna Güerri, professora do Màrius Torres, adverte que a iniciativa é “inteiramente desvinculado de cada inclinação política, ideológica ou moral” e que responde a um estudo da ocorrência do centro.

< / p>“, perguntam os professores. Leão segue com seus argumentos em prol: “esperamos que agora os alunos sejam mais conscientes de que a universidade vem trabalhar e ampliar o sentimento de pertença ao grupo”. Mas que a esse colégio, que lhe renda, não significa que o uniforme se tenha que acrescentar nem funcione em todas as escolas, públicas ou privadas. O debate dos uniformes saiu novamente à iluminação pública no momento em que a conselheira d’Ensenyament, Irene Rigau, convidou a meditar a respeito de os regulamentos de vestimenta dos centros escolares. Estas declarações encerraram de solucionar Leão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima